Agosto Dourado

Proteja a amamentação - Uma responsabilidade compartilhada
 
agosto dourado - Copia
                                                                                                          Mês de conscientização sobre o aleitamento materno

 

O mês de agosto é conhecido como Agosto Dourado por simbolizar a luta pelo incentivo à amamentação – A cor dourada está relacionada ao padrão ouro de qualidade do leite materno.

Este ano a Campanha vem com o tema Proteja a Amamentação – Uma responsabilidade compartilhada e tem quatro principais objetivos:
 
Informar pessoas sobre a importância de proteger a amamentação

Apoiar a amamentação como uma responsabilidade vital de saúde pública

Se articular com indivíduos e organizações para maior impacto

Potencializar ações para proteger o aleitamento materno para melhorar a saúde coletiva.

A amamentação é um dos melhores investimentos para salvar vidas infantis e melhorar a saúde, o desenvolvimento social e econômico dos indivíduos e nações. Criar um ambiente propício para padrões de alimentação infantil ideais é um imperativo da sociedade.

Então, o que é necessário para criar um ambiente favorável e melhorar as práticas de amamentação? Proteção, promoção e apoio à amamentação são estratégias importantes em nível institucional e individual.

Ações coordenadas para otimizar a alimentação infantil em tempos normais e em emergências é essencial para garantir que as necessidades nutricionais de todos os bebês sejam atendidas.

Por meio do leite materno o bebê recebe os anticorpos da mãe, que o protegem contra doenças como diarreia e infecções, principalmente as respiratórias. O risco de asma, diabetes e obesidade é menor em crianças amamentadas, mesmo depois que elas param de mamar. A amamentação é, ainda, um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, importante para que ela tenha dentes fortes, desenvolva a fala e tenha uma boa respiração.

Por que amamentar? Entenda a importância desse ato de amor

O leite materno é o primeiro alimento da nossa vida logo quando chegamos ao mundo. É através dele que o corpo se desenvolve e é fortalecido, para que as mais variadas doenças sejam prevenidas. É um alimento crucial, pelo menos nos primeiros meses de vida, reduzindo assim o índice de mortalidade infantil, como divulga a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Benefícios do leite materno 

Diferente dos demais tipos de leites que normalmente são comercializados, o leite materno contém todas as proteínas, gorduras, vitaminas, açúcares e água que uma criança precisa para se desenvolver, além dos anticorpos e glóbulos brancos que previnem as infecções e as doenças.

Além dos benefícios nutricionais que o aleitamento materno pode trazer para o bebê, esse gesto aproxima mais o elo entre a mãe e o filho e ainda melhora a saúde da mulher. Veja alguns desses benefícios:

- Diminui a ansiedade da mãe: Durante a amamentação, a mãe entra em completa sintonia com o bebê, que precisa de tranquilidade e calma para se alimentar. O momento, consequentemente, faz com que a mãe se acalme e desfrute a maternidade.

- Aumenta a segurança: Principalmente para as mamães de primeira viagem, tudo é muito novo e a insegurança aparece. Porém, quando você amamenta, é perceptível a dependência que aquele ser tem de você, criando forças para confiar e fazer o melhor pela criança.

- Favorece o emagrecimento: Sabe aqueles quilinhos extras que, normalmente, a mãe ganha durante a gestação? A amamentação também ajuda a voltar ao peso ideal. Segundo estudos, o ato gera uma queima de calorias (cerca de 700 Kcal por dia), porque a ocitocina, hormônio produzido naturalmente pelo corpo, aumenta as contrações uterinas, reduzindo a queima natural de gorduras localizadas.

- Previne a anemia: Quando a mulher está amamentando, a menstruação demora mais tempo para voltar ao normal e descer regularmente, sendo assim, a quantidade de ferro do organismo fica preservada por mais tempo, impedindo a anemia.


A Organização Mundial da Saúde traçou como meta alcançar o ano de 2025 com pelo menos 50% de aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida.
 
 
 


Fontes:
Biblioteca virtual em saúde
Sociedade Brasileira de Pediatria